domingo, 17 de fevereiro de 2008

Colapso da Poesia


A poesia acabou
como um poço que seca
uma criança tropeça
olha pro céu e chora.

Rimas, mas onde foram?
Climas, aquecidos estouram.
Versos pro espaço - universo.

O sentimento é ambíguo,
e o preço do trigo
nem pão, nem vinho.
Musa, porque nos abandonou?

Colapsou a poesia!
Descansa na UTI.
Um médico enfia
um pouco de vida em ti.

Recolho minha pena
que tantas vezes te cutucou.
Vou catar meus pedaços,
vou amarrar os cadarços
e comprar flores pra você.

2 comentários:

José Oliveira Cipriano disse...

Maravilha!!!!!!!!!!
Gostei muitíssimo: estilo vibrante,
inovador, sem se preocupar com aquelas babaquices de rima. Brincando com as palavras, dando novo sentido às palavras! Parabéns!!!!!!
Um grande abraço,

Oliveira

FRV disse...

Retribuindo a visita,

O sonho acabou?a arte se foi?toda a inspiração foi consumida em um cigarro???

Não caro Lucas, apenas os "puristas da forma" colocaram o "valor do seu salário acima do valor de suas verdades"...e deixaram que a rotina transformasse poesia em passatempo...E essa foi sua crítica?Tô certo?

Bem para quem vier falar bobagens a vc responda:"ao poeta cabe a última palavra.Sentir?Sinta quem lê"(Fernando Poesia)