sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

A Dor


Uma dor funda no peito...
Será um enfarte, será? Será?
Uma lágrima brilha clara no olho escuro.
Um sorriso desfeito no canto da boca,
na língua um gosto amargo de tristeza e fel.

Chorei pelas ruas, ninguém me viu,
cambaleei pelas calçadas, caí bêbado no chão....
O mundo gira a minha volta....
Volta! Volta, que sinto sua falta.
Alegria, onde você está?

Fiquei só e ouvi passos se afastando em meio a névoa,
era Deus que partia sem se despedir.
Era a vida que se esvaía como perfume em flor murcha,
como sonho depois do despertar.

A barba cresce, a mente cansa
e nesta dança de ódios e entrigas
só eu apanho em meio a briga...
direto de esquerda, Knock Out!

2 comentários:

ellen maria disse...

erro de digitação: baraba* no lugar de barba.

gostei, passou o que vc queria que passasse, na minha opinião.

passa em meu blog, mais uma carta.
beijo e até vista

José Oliveira Cipriano disse...

Belíssimo poema!!!!!
Quantas imagens! Este me tocou em cheio! Se você topar, poderia colocá-lo em meu blog; seria um prazer. Não sei se você se tocou, mas do lado direito coloco poesias de outros. Caso você se interesse, envie-me que colocarei com o endereço de seu blog, seu nome.
Um grande abraço,

Oliveira